Notícia

09 Jun 2021

Tendências do setor moveleiro em 2021

Estima-se que neste ano de 2021 o setor moveleiro obtenha um crescimento de 19% segundo dados do IMEI. Para alcançar esse aumento nas vendas, os varejistas dos 44 mil lojas especializadas em móveis no Brasil precisam entender as mudanças no comportamento dos consumidores e quais são as tendências para o mercado para este ano de 2021.

A combinação dos fatores anteriores com o cenário da pandemia resultou nas principais tendências do mercado moveleiro em 2021 que são:


1. Maior valorização das experiências do que o produto em si:

Cada vez mais os clientes estão escolhendo os produtos pensando nos benefícios e no valor agregado que ele possui. Eles não pensam primeiro qual é o mais barato, mas sim naquele que vai de fato resolver o seu problema e promover uma melhor experiência.

2. Maior influência das redes sociais na decisão de compra: 

Para uma geração totalmente digital, a presença das empresas nesse ambiente é imprescindível. Uma das principais formas é através das redes sociais que permite um canal mais próximo e direto com o cliente, facilitando o acesso ás informações detalhadas do produto e as experiências de outros clientes com a marca.

Essa influência acelera a tomada de decisão dos consumidores e as vendas no ambiente digital. Por isso, a tendência é que mais empresas passem a explorar os recursos tecnológicos, nem que seja apenas com o Whatsapp, para ajudar os consumidores com informações dos produtos e melhorar as vendas.

3. Mais produtos feitos pelos próprios consumidores:

Após o isolamento social, as pessoas tiveram que resolver sozinhas alguns problemas da casa e até mesmo improvisar na decoração para adequar o ambiente ás demandas de trabalho. Com isso, elas foram forçadas a criar seus próprios móveis e acessórios mais simples, podendo inclusive personalizar as peças.

Além disso, aqueles que se viram desempregados, encontraram no setor moveleiro novas possibilidades de negócio e passaram a criar produtos para vender. Começando com itens mais simples como mesa de leitura, nichos e pequenos acessórios, e avançando para os mais complexos como armários e gavetas. 

Esse comportamento vai aumentar as vendas no setor moveleiro e vai exigir mais preparação dos vendedores de materiais de construção e marcenaria, pois nem sempre esses novos consumidores possuem todas as informações na hora de escolher os acessórios.

4. Elevação no consumo local e incentivo aos microempreendedores: 

Diante da crise que se instalou no inicio da pandemia, os pequenos varejistas foram os que mais sofreram com a queda nas vendas. Por isso, um movimento de incentivo ao consumidor local começou a surgir para ajudar os negócios de bairro.

Aqueles que antes não conheciam essas lojas locais, ficaram totalmente encantados com o atendimento mais pessoal e o relacionamento mais próximo. Essa atenção mais personalizada fez com que o cliente se sentisse mais valorizado e voltasse mais vezes.

A expectativa é que esse consumo local continue crescendo, sobretudo pelo relacionamento mais próximo e atendimento personalizado. Para aproveitar essa tendência, os microempreendedores precisam ter um bom atendimento para fidelizar o consumidor.

Com essa transformações que estão surgindo, a tendência é que o consumo cresça com as seguintes características na oferta e consumo dos produtos: 

- Consumidores que valorizam mais as experiências do que o produto em si;
- Maior procura por pelo valor agregado ao produto do que pelo preço barato;
- Uso de ferramentas digitais para conquistar novos clientes;
- Maior influência das redes sociais na decisão de compra das pessoas;
- Mais produtos feitos pelos próprios consumidores e maior busca por informação;





voltar à listagem